As (muitas) preocupações do Billy…

A Ana pensava (e pensa) em muitas coisas ao mesmo tempo!

E, durante algum tempo, a Ana foi um bocadinho como o Billy… preocupada com muitas coisas, coisas demais.

Coisas que, analisadas ao pormenor, não eram motivo de preocupação, mas que num primeiro momento causavam frio na barriga.

A Ana descobriu, aos bocadinhos, que se calhar prestava atenção demasiada naquilo que não conhecia, e por isso, tinha medo e ficava preocupada.

Percebeu, também, que estas preocupações não eram tontas como toda a gente dizia, eram as preocupações dela, e por não serem as dos outros também, não tinham necessariamente que ser preocupações tolas. Eram preocupações e pronto!

Numa visita à Biblioteca Municipal de Ílhavo, nos tempos de universidade, teve oportunidade de assistir a uma dinamização da história “As preocupações do Billy”. Nesse dia fez um boneco das preocupações para ela. E, desde então, nunca mais se esqueceu desta história. A história que se baseia numa tradição muito antiga da Guatemala, mas que ajuda a espantar os medos e as preocupações.

A Ana já contou muitas vezes esta história nas salas onde já foi educadora.

A Ana guarda no coração uma destas vezes, porque um destes meninos que ouviu a história contada pela Ana quis fazer um projeto sobre os bonecos das preocupações.

E foi um projeto que ganhou asas… fizemos bonecos das preocupações que ficaram à entrada da nossa escola. Quem estivesse preocupado escolhia um boneco das preocupações e escrevia a sua preocupação. Ao fim do dia podia levá-lo para casa para colocar debaixo da almofada.

Assim percebemos que toda a gente se preocupa com coisas. Até os adultos… E não temos de ter vergonha disso!

A partir daí descobrimos que sempre que nos voltarmos a preocupar, a solução está nas nossas mãos! É só construir um boneco das preocupações e contar-lhe a nossa preocupação e… ela desaparece!